Imagem Vertical

Probióticos na diarreia aguda em crianças (Rotavírus)

A diarreia aguda é definida como uma diminuição na consistência usual de fezes (líquidas ou moles) e / ou um aumento no seu número (geralmente três ou mais em 24 horas). A diarreia aguda geralmente é autolimitada e pode durar até 7 dias e sempre menos de 14 dias.

No mundo ocidental, cada criança com menos de 5 anos tem uma média de três episódios de diarreia aguda por ano.

Qual é a causa mais comum de diarreia em crianças?

A causa mais frequente de diarreia aguda em idade pediátrica é o rotavírus. O rotavírus é um vírus que causa os episódios mais graves de gastroenterite em crianças entre 4 e 23 meses de idade e pode causar desidratação secundária. O vírus infetaa e danifica as células que revestem o intestino delgado e causa náusea, vómito, diarreia e febre na pessoa infetada. O rotavírus é a causa de cerca de 50% das hospitalizações por diarreia grave na infância. Surtos de infecções por rotavírus são mais frequentes durante os meses de inverno e primavera. O vírus é transmitido pelas fezes das pessoas infetadas antes e depois de mostrarem os sintomas da doença. Este tipo de infeção é particularmente problemático em jardins de infância e pré-escolas, bem como em hospitais infantis, porque é muito contagioso. As crianças são infetadas facilmente colocando os dedos na boca depois de tocar em algo que foi contaminado pelo rotavírus. O mais comum é que a infeção ocorre porque as crianças não lavam as mãos quantas vezes forem necessárias, principalmente antes de comer e depois de usar a casa de banho. Cuidadores de bebés e crianças pequenas, como a equipa de saúde e creche, também podem espalhar o vírus, principalmente se não lavarem as mãos após trocar as fraldas para bebés ou crianças pequenas. Por esse motivo, uma das medidas mais importantes para prevenir a infeção é a lavagem frequente das mãos.

O que pode ser feito para evitar diarreia aguda em crianças com rotavírus?

As medidas gerais de prevenção são a lavagem das mãos e a amamentação. O prolongamento da amamentação é recomendado até aos 24 meses, porque o leite materno é mais digerível que o leite de vaca e contém mais fatores que favorecem a imunidade da criança.

Qual é o tratamento para a diarreia em crianças com rotavírus?

A base do tratamento da diarreia em crianças é a rehidratação oral, para evitar desidratação e distúrbios hidroeletrolíticos. O uso de zinco pode ser benéfico em crianças com mais de seis meses nos países em desenvolvimento, mas não é esperado que proporcione nenhum benefício em regiões onde o déficit de zinco é excepcional. Apesar da eficácia comprovada das soluções de rehidratação oral no tratamento das complicações da diarreia, elas não reduzem a frequência dos movimentos intestinais, a perda de líquidos ou a duração da doença. Portanto, é necessário estudar agentes adicionais para o tratamento da diarreia aguda, e os probióticos podem ser uma alternativa.

Os probióticos podem ajudar na diarreia aguda em crianças com rotavírus?

Os probióticos podem ser benéficos no tratamento da diarreia aguda em crianças, porque estimulam o sistema imunológico, competindo com microorganismos patogénicos por nutrientes e locais de adesão nas células intestinais, acidificando o conteúdo intestinal e produzindo substâncias neutralizadoras de patógenos intestinais. A base racional para seu uso é o seu papel de modificar a composição da flora colonica e atuar contra agentes enteropatogénicos.

Estudos publicados até o momento demonstraram que o uso de probióticos reduz a duração da diarreia em um dia, diminui o risco de diarreia prolongar-se além de 4 dias, reduz a probabilidade de desidratação e diminui os dias de internamento hospitalar. Alguns dos probióticos que demonstraram seu benefício na prevenção e tratamento da diarreia aguda em crianças são L. rhamnosus GG, S. boulardii, L. Reuteri e L. Acidophilus. Os probióticos devem ser administrados precocemente para que sua eficácia seja maior. Por outro lado, foi demonstrado que os probióticos diminuem e encurtam a excreção de rotavírus e, portanto, a transmissão da doença de um paciente para outro, o que pode ter um importante impacto epidemiológico.

Em geral, nenhum efeito colateral significativo foi descrito em ensaios clínicos com probióticos. Há alguns casos de infeção invasiva em crianças imunocomprometidas ou com vias centrais, portanto, os probióticos não devem ser administrados em crianças com esses fatores de risco.

quarta-feira, 19 fevereiro 2020 18:56
26.02.20
Diarreia do viajante: conselhos e medidas preventivas

Diarreia do viajante: conselhos e medidas preventivas

O aumento do turismo em todo o mundo levou a um aumento de patologias importadas para os países ocidentais.

12.02.20
A microbiota vaginal e a sua relação com as infeções urinárias

A microbiota vaginal e a sua relação com as infeções urinárias

A microbiota vaginal é formada por um conjunto de microrganismos que colonizam naturalmente a vagina, constituindo o seu mecanismo de defesa fundamental.

09.01.20
Como manter uma dieta saudável?

Como manter uma dieta saudável?

As férias de Natal passaram e janeiro chegou, com mais de um "pão" debaixo do braço ... Começa o período da recuperação, para retomar hábitos nutricionais saudáveis.

Fale Connosco

Contacto
info@ciclumfarma.pt
+351 211 209 870

siga-nos nas redes sociais